sábado, 31 de maio de 2008

Seul na Coréia do Sul

A cidade de Seul impressiona pela organização e limpeza dos espaços e pela postura e comportamento das pessoas, que aparentam ar distinto, com vestes de uma elegância sóbria. É marcante a diferença cultural em relação à China.

A parte central da cidade é cortada por um rio artificial, onde mais de 60 milhões de litros/hora de água são despejados para manter um fluxo constante; o rio, que tem todas as características de um aqüífero natural, também é um charmoso cartão postal da capital.

O único inconveniente é a gastronomia, que é considerada completamente incompatível com os padrões alimentares ocidentais.


Informações sobre Seul:




  • Seul é a capital e maior cidade da Coréia do Sul, situada no noroeste do país, nas margens do Rio Han;


  • A cidade tem 10,3 milhões de habitantes e uma área de 605,51 km2;


  • A moeda utilizada no país é o Won Sul-Coreano (aproximadamente 930 won sul-coreanos equivalem a 1 dólar americano);


  • O PIB da Coréia do Sul é de U$ 1,180 bilhões e o PIB per capita fica na casa de U$ 24 mil (fonte: CIA World Factbook – EUA, jan/07);


  • Seul é um importante centro comercial e financeiro internacional;


  • Foi palco dos Jogos Olímpicos de Verão de 1988 e uma das cidades que recebeu o Campeonato Mundial de Futebol de 2002;


  • Seul é uma cidade muito segura: as estatísticas de crimes violentos são bastante baixa se comparadas a outras cidades de porte similar em todo o mundo;


  • Como o resto da Coréia do Sul, Seul tem quatro estações bem distintas: o verão é quente e úmido enquanto o inverno é geralmente gelado, acompanhado de neve;


  • Nas décadas recentes, a cidade tem vivenciado transformações significativas e grande crescimento, resultantes da rápida industrialização e modernização;


  • Seul é o centro político, econômico e cultural da Coréia do Sul;


  • A cidade tem mais de 300 teatros, galerias de arte e museus;


  • A rede de metrô da cidade tem 287 quilômetros, oito linhas e 262 estações; há 400 rotas de ônibus em Seul e uma frota de carros superior a 8,5 mil veículos;


  • Nos mercados de Itaewon e Insandong pode se perceber a passividade dos comerciantes coreanos, que não oferecem seus produtos e não abordam os clientes; tal atitude demonstra a diferença com o comércio tradicional chinês, onde os vendedores chegam a ser agressivos no momento da venda, ofertando seus produtos fortemente aos clientes;


  • O budismo é a religião predominante na Coréia do Sul; algumas das características marcantes que se percebe nos budistas são as expressões e atos tranqüilos e serenos, contrariando as atitudes fervorosas demonstradas pelos adeptos de muitas outras religiões; os budistas buscam na religião mais um amparo filosófico para sua vida do que milagres ou a ajuda para atingir objetivos;

2 comentários:

  1. O budismo não é predominante.

    ResponderExcluir
  2. Pelo amor de Deus...a coreia é um país cristao~!!! T__T

    ResponderExcluir

Seguidores